Nem toda empresa precisa ser o Google, mas...

O assunto é clichê, eu sei, mas não canso de repetir: Trabalhar com sentido - ou seja, sabendo como exatamente você pode contribuir com um projeto - e, estar em um ambiente profissional favorável a seus planos, expectativas e capacidades é a melhor decisão que alguém pode tomar na vida profissional.

Lembro-me do meu primeiro emprego. A chefia tinha como atribuição fiscalizar e contabilizar desde as métricas da equipe, passando pela quantidade de cafés tomados até o número de vezes que os funcionários iam ao banheiro. Sentíamos acuados o tempo todo. E, se você imagina que estamos falando de 1980 e alguma coisa, quero deixar claro que este fato acontecia no final dos anos 2000.

Fique tranquilo! Este não é um texto que advoga em favor de uma cultura de empresa que pareça um playground para jovens adultos. Afinal, esta é uma bizarra criação - para não chamar de alucinação - feita por uma geração que escolheu adotar bordões feitos e acredita que trabalhar em empresas moderninhas no modelo Google é a única maneira de trazer significado para o que fazem.

Entendo, e já disse muitas vezes aqui, sobre a importância das empresas proporcionarem a melhor condição possível a quem passa mais tempo no ambiente de trabalho do que em casa. Já tivemos vários indícios de que a produtividade está diretamente ligada a o quanto alguém sente-se parte e realiza algo.

Eu falo da ideia enganosa de que simplesmente transformando o ambiente de trabalho em um playcenter tornará automaticamente o rendimento maior com funcionários mais eficientes. O sucesso é um conjunto de culturas.

Não quero dizer que a organização com a mentalidade mais aberta seja "mais ou menos empresa" que as demais, elas apenas acertaram estrategicamente por implantar uma nova cultura que a geração dos seus funcionários absorve bem. Ponto.

A questão é que, no final das contas, as companhias que optaram por incluir seus colaboradores nos seus planos, que os fazem sentir-se parte das suas ideias, que se preocupam em capacitá-los, que entendem seu melhor modelo de produzir individualmente que decidiram instigar seus times não a competição, mas a colaborar mutuamente são as que tem mais sucesso na satisfação e resultado.

A cultura de empresa que foca no funcionários rende mais

Recentemente, tive a grata felicidade de estar trabalhando com uma dessas empresas. Garanto que elas têm os mesmos problemas de qualquer empresa e talvez outros que os modelos tradicionais nem conheçam, o diferencial é que podemos encontrar com mais facilidade pessoas que amam o que fazem. 

E isso não tem a ver com motivação apenas, mas com recompensas que vão além da grana. Não existe dinheiro algum que bonifique a sensação de sentir-se útil e pertencer a um local de trabalho saudável.

A cultura da empresa é o seu RG. E por mais que tentem falsificar um documento, sempre tem alguém para desmascarar e comparar a foto com o rosto. Muitas empresas vivem de foto. Outras não se preocupam com o rosto. E os colaboradores? Bem, eles buscam apenas a autenticidade.

Nem todas as empresas precisam ser igual ao Google, mas todas precisam entender que seus funcionários são a parte principal dela. E se trouxerem um pouco de espaço, liberdade criativa e capacitação estarão formando um time imbatível. Este é o ponto.

[Se você gostou do texto, comente e me deixe saber disso]

Acompanhe mais conteúdo por aqui

Linkedin | Facebook | Instagram | Medium |  Rock Content

[LEIA O LIVRO “MAIS DO QUE RELEVANTE, SEJA IMPORTANTE PARA SUA AUDIÊNCIA ]

[INSCREVA-SE AQUI PARA RECEBER CONTEÚDOS SOBRE ESCRITA, STORYTELLING, CRIATIVIDADE]